os momentos despendidos aqui são de reconciliação com a vida

quinta-feira, 28 de maio de 2009

-Seca-

As palavras secaram.
Banhado de incertezas
meu regato consumi até o fim,
sem sequer consultar as belezas
que davam provisão.

Tudo que agora queria
era compartilhar a força cintilante
que não deixa meu amigo terminar o dia.
Quem sabe não seria a poesia
algo que impulsionaria meu pulso
a encontrar o oceano que trago
nas funduras.
Só faltaria a misteriosa força centrípeta
que condenaria todo o pútrefo pântano lodoso,
ao qual não escapa um triz da carne
que carrego nessa carcaça errante
cheia de desastres astrológicos
e pipas concertantes prendadas por crianças inocentes,
à dissolução completa no mar que se esconde
em fragmentos.

Tento chorar na esperança de poder
nas lágrimas me banhar.
É gota a gota que se descobre
o fel da imensidão vazia.
É gota a gota que se sorve o mel
dos colossos invisíveis.

As palavras secaram,
mas basta um olhar mais preciso
para notar que a compreensão nunca se esgota
e que se organizar e divertir nunca é vão.

O mistério da poesia é assim:
natureza errante dos cosmos da memória humana;
acabou a água do mundo,
no entanto,sequer começamos a desvendar os oceanos.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Desvendo cada palavra
    que de mim parte
    como a gota
    que da nuvem cai.

    decifro a ambas,
    e não chego à conclusão nenhuma.

    mas me aproximo mais
    de mim
    e de meus irmãos.

    (e de quebra, escrevo
    outro poema!
    e desenlaço idéias para
    mais uns cem.)

    ResponderExcluir